Dias Estranhos

No inicio do ano fiz uma postagem (normalmente eu diria “fiz um post”, mas estou me policiando para reduzir um pouco os anglicismos que uso) sobre o fato de não ser bom em publicar nada aqui com frequência. Pois bem, já passou Junho (como disse na postagem anterior, seria o marco de 10 anos da minha primeira publicação), alem disso já passou e muito de meio semestre desde que escrevi algo aqui, ou seja, tenho que melhorar essa minha habilidade, mas já estou feliz porque a anos não faço tantas postagem assim em um ano (risos). Mas isso não quer dizer que eu não tenha vontade de postar mais pensamentos e opiniões, eu quero, tanto que mantenho sempre a pagina atualizada, modifico os esquemas/modelos (“layout”) para manter atual e bonito.

Apesar de tudo oque mencionei, sempre encaro o mesmo dilema, o que escrever já que certamente neste dias estranhos (demorei mais cheguei no assunto do titulo…) de hoje, tudo o que se fala, opina, compartilha, pensa e tem como valor, é motivo de critica. Mas não digo a critica pura e simples, ou aquela critica que se usa como construtiva para melhorar, estou falando da critica fanática e destrutiva, em que tudo é um nêmesis a ser combatido e destruído não impostando o respeito a opiniões diversas nem a compreensão. Onde se um diz que é de direita, os que são de esquerda pedem a morte, e onde os que são de esquerda, os de direita pedem o carcere, não posso nem imaginar o sofrimento que destros e canhotos estão passando com toda essa polarização… (nem vou comentar que sou ambidestro… ops…).

Escrever também passou a ser algo alvo de duras criticas, por conta desta polarização, pois escrever, deveria ser alem do espelho de sua época, também um exercício de liberdade, fidelidade (ética) e verdade. Mas visto que para “defender” suas ideologias, conceitos e crenças muitos destes “escritores” / “comunicadores” exageram, omitem e até coisas piores para alcançar seu objetivo que é ter a sua “verdade” como unica e absoluta. Por isso acho que é mais interessante escrever sobre o que não escrever, só pela diversão.

Deixe uma resposta

Rolar para o topo